“Fornecedores de Sonhos”

Olá Filipe! Bem-vindo ao Daqui Até ao Sim! :)

wps

DS: Queres falar-nos um pouco do teu percurso profissional e de como a fotografia surge na tua vida?

Filipe Santos: A fotografia surgiu naturalmente durante a minha formação em Comunicação e foi crescendo até me apaixonar por registar a vidas das pessoas, e onde mais do que num só dia conseguirmos fotografar o maior número de emoções do que no dia de um casamento? O olhar de um pai para uma filha nesse dia, do mesmo pai para o próprio pai recordando o dia que saiu de casa para ir ter com a sua futura esposa ao altar tantos anos antes, ou a mãe olhar a futura esposa do filho com esperança de que cuide dele como ela até aqui…

Não posso pedir mais do que tudo isto para alimentar a minha paixão.

DS: “Entrar” na história dos noivos é um requisito fundamental para cumprirem o vosso trabalho?

Filipe Santos: Sem dúvida que perceber como se conheceu aquele casal, há quanto tempo, e que tipo de sentimentos os une é muito importante para os conseguir retratar, depois a observação e a atenção aos detalhes no dia do casamento faz o restante.

DS: Alguma vez te aconteceu de não sentires qualquer afinidade com o casal?

Filipe Santos: Claro que algumas histórias significam mais para mim do que outras, mas todas significam algo, todas merecem ser retratadas e guardadas, todas são singulares e acredito que o álbum que estou a fotografar naquele dia fará parte de várias gerações, e os filhos e os netos daqueles que hoje são apenas um casal que se ama merecem que eu construa a herança fotográfica deles!

DS: A sessão de solteiros é importante para ti, enquanto fotógrafo? A vossa tarefa torna-se mais difícil quando fotografam os noivos apenas no dia do casamento?

Filipe Santos:  A sessão de solteiros, é para mim tempo de observação, de perceber quem é aquele casal, o que os une, como se dão, que gostos têm… Tudo isto é possível no dia do casamento, mas é bem mais fácil isso acontecer uns dias antes, sem pressões nem ansiedades.

DS: Como descreves a experiência de entrar na privacidade dos noivos?

Filipe Santos: Adoro sentir-me parte da família, sem ser evasivo ou forçado, gosto quando as famílias me acolhem para contar a história como se fosse um deles.

XPR06893

DS: Qual é a vossa visão do nosso casamento? Conseguem desfrutar da cerimónia ou simplesmente não é possível “desligar” do modo trabalho?

Filipe Santos: O meu trabalho é o que mais gosto de fazer, para mim é fácil fotografar e aproveitar as emoções ao mesmo tempo, se durante a cerimónia o noivo se emociona, isso vai emocionar-me e a foto vai refletir isso.

DS: Tens arrecadado muitos galardões. A pressão de ganhar prémios influencia, de alguma forma, o teu trabalho?

Filipe Santos: De maneira nenhuma, ao início talvez, agora sabem bem quando não estou a contar com eles. E não são um objetivo para mim…

DS: Recordas algum casamento que te tenha marcado particularmente? Porquê?

Filipe Santos: Pode parecer uma resposta básica, mas na verdade, cada “dia de casamento” para mim é uma experiência diferente, todos me emocionam de uma maneira diferente, todos são para mim uma recordação.

SR20160423-1591

DS: E agora, uma pergunta mais pessoal. Como imaginas o teu casamento?

Filipe Santos: Não quero fazer planos, quero apenas ter a certeza que o viverei ao máximo…cada sorriso e cada lágrima…para sempre.

DS: O que é que as tuas fotos dizem sobre ti?

Filipe Santos: As minhas fotos dizem muito sobre mim e sobre como vejo quem estou a fotografar, mas cada um interpreta à sua maneira…

DS: Qual é o segredo de uma boa fotografia?

Filipe Santos: O segredo está na emoção muito mais do que na técnica, está na paixão, no olhar de quem é fotografado…está na autenticidade dos sentimentos!

moneyback-11

Votos de muito sucesso!

Beijinhos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>